santaapoloniadois

by

“Um tipo ia arranjar-me um quarto e depois desapareceu”

Do lado direito da estrada, há uma rapariga estendida no chão.

No outro passeio, um casal e uma mulher a olhar. O par alemão garante-me que ali, no meio da rua, não é um bom sítio para dormir. Lá em Berlim, quando as pessoas o fazem à volta da estação, “vem alguém e rouba-lhes os pertences!“.

Chega um careca português, educado, falador, bem disposto, e toma conta da situação. O par alemão e a mulher portuguesa deixam o local, e chega outra senhora, jovem, bonita e simpática.

Após algumas tentativas falhadas, consegue chamar-se uma ambulância e vai-se tentando despertar a irlandesa de 30 anos, loira, olhos azuis, suja, alcoolizada, uns quilitos a mais na zona da barriga.

Agarra-se a ambas as minhas mãos para se levantar, com grande confiança. A morena gentil, magrinha e bem vestida diz que só tem marmelada e bananas, dá-lhe uma e ela vai ficando mais consciente e conversadora.

Puxa de um dos seus próprios cigarros e fuma. Diz que um tipo ia arranjar-lhe um quarto e depois desapareceu, há cinco minutos ou há uma hora. Há uma semana foi assaltada: Só tem 20 euros. Precisa de uma cama e uma refeição, os 20 euros não dão para tudo.

Não quer ambulâncias nem hospitais, não tem dinheiro. O homem brincalhão e expedito que dirige informalmente a ocorrência, e a morena elegante, garantem-lhe que nos hospitais portugueses ninguém deixa de ser tratado por não ter dinheiro. Mas ela recusa terminantemente a ambulância.

O careca com iniciativa tenta cancelar a vinda da ambulância, mas esta já está a caminho, não dá. A irlandesa levanta-se e diz que vai comprar cigarros. O homem com óculos e sem cabelo diz-lhe que não vai ficar à espera que ela vá comprar tabaco enquanto não chega a ambulância.

Ela diz que não há problema. Vai-se embora. O homem também. Bem como a rapariga que lhe deu uma banana e tentou marcar-lhe uma dormida, com o smartphone. Não conseguimos resolver os problemas da turista desprevenida, mas pelos menos já não está caída a um canto no meio da rua…

Write a Comment

Comment