Untitled

by

São do mesmo tamanho mas cabem uns dentro dos outros

Enquanto passa a música mais chungosa dos anos 1980, chegam os tipos mais chunga dos anos 1980.

Duas loiras, uma gorda, outra magra, um moço de pólo clarinho, calças escuras e cabelo bem curto.

Ocupam todo o espaço disponível e anexam para eles a mesa que estava a ser usada por outros, deixando fundadas dúvidas sobre a segurança dos casacos e das malas lá depositados.

Ele abre os braços e as mãozinhas para mostrar que aquele metro quadrado à sua volta, afinal, agora é só dele.

No grupo que foi invadido há uma rapariga para quem todos os dançarinos olham; com ela, uma amiga simpática e outra engraçada, mas claramente ofuscada por aquela que todos fixam.

Os três ou quatro que ali já estavam instalados acendem vários olhares de incómodo e enjoo perante os invasores, alternando faíscas entre estes, os casacos e as malas, agora tidos como inseguros, e não fazem por disfarçar o enfado e a preocupação.

Finalmente, o trio nada bem vindo acaba por perceber o que era impossível não ver e retira-se.

Os momentos seguintes são passados a verificar malas, carteiras e casacos, assegurando que tudo está no lugar. Dinheiro, cartões, chaves, telemóveis e por aí fora.

A discoteca, numa zona central da cidade, fica nos escombros das catacumbas do que em tempos foi um centro comercial prestigiado, ao lado de um hotel ainda mais requintado.

Tem fantásticas noites de temática musical muito específica, e esta não é uma delas.

Salvam-se os temas de David Bowie, Prince e Depeche Mode, que prometiam muito para as horas seguintes. O resto das músicas e artistas são tão maus que nem conseguem pronunciar-se.

Algumas imperiais depois, ficam no ar interrogações próprias do momento e do contexto. Houve alguém que alcançou uma invenção genial.

As dezenas de copos que, nas horas anteriores, contiveram vodka ou cerveja, têm, na aparência, exactamente o mesmo tamanho. Mas mesmo tendo todos exactamente o mesmo tamanho, encaixam-se na mais harmoniosa perfeição uns nos outros, em torres infindáveis.

Write a Comment

Comment